Skip to content

Horizontes brancos

2018, jato de tinta sobre papel de algodão, 100×150 cm.
Edição de 3+1 prova de artista

(…) São fotografias domésticas, pertencentes a um álbum de família, que agora sobrevivem como fantasmas vindos de um tempo e de um lugar indefinidos, mostrando ostensivamente a sua condição póstuma. Elas solicitam, assim, um olhar arqueológico, como as peças de um museu ou os documentos de um arquivo. Convidam-nos à construção imaginária de uma história, solicitam que preenchamos os espaços vazios do “quando”, “onde” e “quem”: quem são aquelas pessoas? Em que circunstâncias, e em que tempo, foram fotografadas?

  Este é apenas o primeiro nível de significação. (…) Mas há um outro nível de significação mais importante, e é aí que devemos apreender o que há de fundamental neste trabalho. Esse outro nível é o da subtracção destas imagens à sua condição documental e histórica. Neste caso, o artista não é apenas mediador nem tem uma atitude reverencial pelas imagens do seu arquivo. De certo modo, ele profana-as, exerce sobre elas uma manipulação que as desvia do seu lugar originário.

Essa manipulação tem duas dimensões: através da digitalização e ampliação, as imagens ganham qualidades plásticas próximas de uma disciplina artística que já não é a fotografia. Há aqui uma anulação do efeito fotográfico, até ao ponto em que o espectador sente que deixou de ser convidativo e pertinente perguntar: quem, quando, onde?

(…)Aqui, os media não têm a qualidade da transparência, não se apagam para deixar ver a imagem ou som de que são mediadores. Pelo contrário, eles têm uma especial opacidade, na medida em que são exibidos enquanto tal: as máquinas, os dispositivos técnicos, são parte integrante deste trabalho, são elementos equivalentes às fotografias. Eles são um factor de anulação do efeito documental. E, então, as imagens encaminham-se para um lugar enigmático, onde se revela a sua condição fantasmática.

António Guerreiro

excerto do texto “CONVOCAR AS IMAGENS, REVELAR OS FANTASMAS”

exposições: